MOVIE REVIEW: "AVA" (2020)

in GEMS3 months ago

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

IMDb

Synopsis: Ava is a highly trained assassin who works by killing high-level targets for a secret organization. But when a mission goes terribly wrong, it is forced to find out what happened, and at the same time, fight for its own survival.

In the most recent era of Hollywood action scenario, the introduction of the female image as the protagonist is still not as great as it should be. In relation to male protagonism, the balance is extremely uneven and although there are good action examples where the protagonists are women, the balance is still very small (for comparative purposes). The paths to a stronger role are still being followed, but definitely, examples like this movie can not be considered as something so positive.

Variety

Exploring all the possible clichés within an action movie based on espionage, the script here works in a very slow, mechanical way and that brings practically nothing new to the air that these projects usually breathe. Throughout the movie, I had a distinct feeling of having seen many other movies similar to this one... However, here there is a great neglect in the way the script deals with events. From the ways in which the characters are developed, to the "connections" that keep them connected.

The main plot is extremely generic. There is no surprise throughout the movie and this is very frustrating, because after all, what is a spy movie without a good surprise at some point? Everything is very predictable and the lack of dynamism in the construction of the plot is an even more damaging factor because it makes the pace of events very slow and boring. Mixing a few action scenes (most of them very inexpressive), with familiar dramatic doses that do not bring strong elements to the plot, the script is forgettable (just like the movie).

AdoroCinema

A possible web of conspiracy is presented in the first part of the movie, and that brings the main fuel of the theme, but it does not take long for the script to lose all its explosive potential, because after half the duration, the following events are a sequence of errors and inconsistencies that are committed by the characters, who in the position of lethal killers, show themselves as agents in the initial training phase, where wrong decisions are taken in impulsive and / or unnecessary acts.

This brings a very negative weight to the plot because it takes away almost all the credibility it has at the beginning (which is promising), in addition to also affecting the level of empathy that the audience will certainly not have, basically because the protagonist is not developed in essence (which the dramatic part tries to explain, but without success) and everything around it sounds too superficial to create a sense of urgency in relation to the problems it faces. There is a good conflict, but it seems to be described only on paper.

The Wrap

Jessica Chastain brings a good character to life, but is sabotaged by a very weak script, preventing her from showing her true talent (the only good part of watching her in this movie is realizing how brutal, sexy and lethal she can be ... all at the same time) and so do actors John Malkovich, Colin Farrell and Geena Davis (who are even more disadvantaged than Chastain herself). The supporting cast is so laughable, they are not even worth mentioning because they really add nothing good to the plot itself.

In terms of what should most impress (espionage and action scenes), the script delivers a problematic plot (not because it is difficult to understand... but because it is full of defects) and action scenes that are too simple (despite there are some scenes where this aspect is really valued). The double combo of expressionlessness is the icing on the cake, which embraces the doldrums of a movie that makes no effort to maintain itself as a provocative entertainment that is at least minimally interesting in its concept.

Blog de Hollywood

Poorly directed by Tate Taylor, it is evident that AVA is a movie produced on a low budget (photography stands out as the weakest technical element and the editing of scenes is another very unsatisfactory point), and this creates a stalemate in the creation of great action scenes, but this should not have any effect on the development of ideas and also, should not negatively affect the boldness of the movie in creating more intense elements so that everything becomes more attractive. Definitely, the bitter taste prevails here.


CRÍTICA DE PELÍCULA: "AVA" (2020)

Sinopsis: Ava es una asesina altamente entrenada que trabaja matando objetivos de alto nivel para una organización secreta. Pero cuando una misión sale terriblemente mal, se ve obligada a descubrir qué sucedió y, al mismo tiempo, luchar por su propia supervivencia.

En la era más reciente de las películas de acción de Hollywood, la introducción de la imagen femenina como protagonista todavía no es tan buena como debería ser. En relación al protagonismo masculino, el equilibrio es sumamente desigual y aunque hay buenos exjemplos de acción donde las protagonistas son mujeres, el saldo sigue siendo muy pequeño (a efectos comparativos). Todavía se siguen los caminos hacia un papel más fuerte, pero definitivamente, ejemplos como en esta película no pueden considerarse algo tan positivo.

Explorando todos los tópicos posibles dentro de una película de acción basada en el espionaje, el guión aquí funciona de una forma muy lenta, mecánica y que no aporta casi nada nuevo al aire que suelen respirar estos proyectos. A lo largo de la película, tuve la sensación de haber visto muchas otras películas similares a esta... Sin embargo, aquí hay un gran descuido en la forma en que el guión trata los eventos. Desde las formas en que se desarrollan los personajes, hasta las "conexiones" que los mantienen conectados.

La trama principal es extremadamente genérica. No hay ninguna sorpresa en toda la película y esto es muy frustrante, porque después de todo, ¿qué es una película de espías sin una buena sorpresa en algún momento? Todo es muy predecible y la falta de dinamismo en la construcción de la trama es un factor aún más perjudicial porque hace que el ritmo de los acontecimientos sea muy lento y aburrido. Mezclando algunas escenas de acción (la mayoría de ellas muy inexpresivas), con dosis dramáticas familiares que no aportan elementos fuertes a la trama, el guión es olvidable (como la película).

Una posible trama de conspiración se presenta en la primera parte de la película, y eso trae el principal combustible del tema, pero no pasa mucho tiempo para que el guión pierda todo su potencial explosivo, pues luego de la mitad de la duración, los siguientes hechos son una secuencia de errores e inconsistencias que cometen los personajes, quienes en la posición de asesinos letales, se manifiestan como agentes en la fase de entrenamiento inicial, donde se toman decisiones equivocadas en actos impulsivos y / o innecesarios.

Esto le da un peso muy negativo a la trama porque le quita casi toda la credibilidad que tiene al principio (lo cual es prometedor), además de afectar también el nivel de empatía que seguramente no tendrá el público, básicamente porque el protagonista no está desarrollado en esencia (que la parte dramática intenta explicar, pero sin éxito) y todo a su alrededor suena demasiado superficial para crear una sensación de urgencia en relación a los problemas que enfrenta. Hay un buen conflicto, pero parece que se describe solo en papel.

Jessica Chastain da vida a un buen personaje, pero es saboteada por un guión muy débil que le impide mostrar su verdadero talento (lo único bueno de verla en esta película es darse cuenta de lo brutal, sexy y letal que puede ser... todo al mismo tiempo) y también lo hacen los actores John Malkovich, Colin Farrell and Geena Davis (que están incluso más desfavorecidos que la propia Chastain). El elenco de reparto es tan risible que ni siquiera vale la pena mencionarlo porque realmente no agregan nada bueno a la trama en sí.

En cuanto a lo que más debería impresionar (escenas de espionaje y acción), el guión entrega una trama problemática (no porque sea difícil de entender... sino porque está llena de defectos) y escenas de acción demasiado simples (a pesar de hay algunas escenas donde realmente se valora este aspecto). El doble combo de la inexpresividad es la guinda del pastel, que abraza el estancamiento de una película que no hace ningún esfuerzo por mantenerse como un entretenimiento provocador y al menos mínimamente interesante en su concepto.

Mal dirigida por Tate Taylor, es evidente que AVA es una película producida con poco presupuesto (la fotografía se destaca como el elemento técnico más débil y la edición de escenas es otro punto muy insatisfactorio), y esto crea un estancamiento en la creación de grandes escenas de acción, pero esto no debe tener ningún efecto en el desarrollo de ideas y además, no debe afectar negativamente la audacia de la película en la creación de elementos más intensos para que todo se vuelva más atractivo. Definitivamente aquí predomina el sabor amargo.


CRÍTICA DE FILME: "AVA" (2020)

Sinopse: Ava é uma assassina altamente bem treinada, que trabalha matando alvos de alto-nível para uma organização secreta. Mas quando uma missão dá terrivelmente errado, ela é forçada a descobrir o que aconteceu, e ao mesmo tempo, lutar pela própria sobrevivência.

Na era mais recente dos filmes de ação hollywoodianos, a introdução da imagem feminina no papel de protagonista ainda não é tão grande como deveria ser. Em relação ao protagonismo masculino, a balança é extremamente desigual e embora existam bons filmes de ação onde as protagonistas são mulheres, o saldo ainda é muito pequeno (para efeitos comparativos). Os caminhos até um protagonismo mais forte ainda estão sendo trilhados, mas definitivamente, exemplares como este filme não podem ser levados em consideração como algo tão positivo.

Explorando todos os clichês possíveis dentro de um filme de ação baseado em espionagem, o roteiro aqui trabalha de uma forma muito lenta, mecânica e que não trás praticamente nada de novo para o ar que esses projetos costumam respiram. Durante todo o filme, eu tive uma nítida sensação de já ter assistido muitos outros filmes parecido com esse... Porém, aqui existe um desleixo muito grande na forma como o roteiro trata os acontecimentos. Desde as formas como os personagens são desenvolvidos, até as "conexões" que os mantém ligados.

A trama principal é extremamente genérica. Não existe nenhuma surpresa ao longo do filme e isso é muito frustrante, porque afinal, o que é um filme de espionagem sem um boa surpresa em algum momento? Tudo é muito previsível e a falta de dinamismo na construção da trama é um fator ainda mais prejudicial porque faz com que o ritmo dos acontecimentos muito lento e enfadonho. Misturando poucas cenas de ação (sendo a maioria delas muito inexpressivas), com doses dramáticas familiares que não trazem elementos fortes para a trama, o roteiro é esquecível (assim como o filme).

Uma possível teia de conspiração é apresentada na primeira parte do filme, e isso trás o combustível principal da temática, mas não demora muito tempo para o roteiro perder todo o seu potencial explosivo, porque depois da metade do tempo de duração, os acontecimentos seguintes são uma sequências de erros e incoerências que são cometidos pelos personagens, que na posição de assassinos letais, mostram-se como agentes em fase inicial de treinos, onde decisões equivocadas são tomadas em atos impulsivos e / ou desnecessários.

Isso trás um peso bem negativo para a trama porque tira praticamente toda a credibilidade que ela tem no seu início (que é promissor), além de afetar também o nível de empatia que o público certamente não vai ter, basicamente porque a protagonista não é desenvolvida na sua essência (que a parte dramática tenta explicar, mas sem sucesso) e tudo o que gira em torno dela soa muito superficial para criar um senso de urgência em relação aos problemas que ela enfrenta. Existe um bom conflito, mas ele parece ficar apenas descrito no papel.

Jessica Chastain dá vida a uma boa personagem, mas é sabotada por um roteiro muito fraco, impedindo-a de mostrar o verdadeiro talento que ela tem (a única parte boa de assisti-la nesse filme é perceber o quanto ela pode ser brutal, sexy e letal... tudo ao mesmo tempo) e o mesmo acontece com os atores John Malkovich, Colin Farrell e Geena Davis (que são ainda muito mais prejudicados do que a própria Chastain). O elenco de apoio é tão risível, que nem valem à pena ser mencionados porque eles realmente acrescentam nada de bom para a trama em si.

No quesito que mais deveria impressionar (espionagem e cenas de ação), o roteiro entrega uma trama problemática (não por ser algo de difícil compreensão... mas sim, por ser cheia de defeitos) e cenas de ação que são simples demais (apesar de existirem algumas cenas em que esse aspecto é realmente valorizado). O combo duplo de inexpressividade é a cereja do bolo, que abraça o marasmo de um filme que não faz o menor esforço para se manter como um entretenimento provocador que seja, ao menos, minimamente interessante no seu conceito.

Pobremente dirigido por Tate Taylor, é evidente que AVA é um filme produzido com um baixo orçamento (a fotografia se destaca como o elemento técnico mais fraco e a edição de cenas é outro ponto bem bem insatisfatório), e isso cria um empasse na criação de grandes cenas de ação, mas isso não deveria surtir nenhum efeito no desenvolvimento de ideias e também, não deveria afetar negativamente a ousadia do filme em criar elementos mais intensos para que tudo se tornasse mais atrativo. Definitivamente, o sabor amargo prevalece aqui.

Sort:  

i've seen this movie. I like it.

It's not terrible, but I was expecting for something much better.

agreed.

I watched it day before yesterday. I like the way it finished. I mean she have murdered 40+ human. Eventhough she won, the other girl (the daughter) started following her. what does it mean.. No one can hide from what they did.

That ending leaves an open possibility for a sequence, but I think it will never be done.

Even though Ava sensitive in front of his personal life, she had a steel heart. I didn't felt her like a hero.

ending leaves an open possibility for a sequence

yeah. It's totally up to our point of view. Nice review again

very good review!

Thanks, @gigia85.