MOVIE REVIEW: "Missing Link" (2019)

in GEMSlast month (edited)

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

IMDb

Synopsis: Tired of living alone, the giant (and furry) Mr. Link decides to ask the fearless explorer Sir Lionel Frost for help, to guide him on a journey to find his lost relatives in the legendary valley called Shangri-La. Adelina Fortnight (an old love of Frost), joins the trio and they face many dangers at the ends of the world.

The power of sensitivity that animation movies of the most recent era of Cinema brings is much broader than what can be seen in many movies of the more traditional era. Originally made for children, they also usually reach adults and this is a very important feat, because it helps to break an old stigma that no longer makes sense. However, not all attempts always work correctly, and here is a good example of this... Despite being a fun movie, it is very forgettable.

Variety

Within a simple approach, the script works with a narrative much less daring than it should. However, it is understandable that the movie is deprived of narratives that make its projection time longer because the aspects that are delivered on the screen are too shallow and do not allow for further exploration. Despite this problem, there is a constant attempt to entertain the audience, but most of them are lost because the lack of charisma screams louder than any other good thing the movie can have.

Throughout a tiring journey for the way it was worked, the characters are treated without many personality traits (with the exception of the protagonist himself, who is a naturally self-centered person... despite being well intentioned in his actions) and this is a big problem because it helps the movie not to have its own identity and feeds the lack of empathy that the audience naturally feels when watching it. The weight and shape of the project is lost in the midst of some not-so-funny and cold jokes.

Rolling Stone

Other aspects that bothered me most during the projection (and that represent other problems of the script) were the lack of basis to explain absurd situations (the "monster" simply behaves like a human in all its actions) and the rhythm of the plot, which is too slow (even less than 85 minutes) and without many scenes that has an interesting weight. I'm not questioning the creative freedom of the writers or the fact that the movie is a fantasy, but it takes an effort to be real.

The search for one's own identity (of the two protagonists: man and monster) is a topic of great importance, but even this subject is treated from such a simple point of view, that it has an extremely light weight in the plot, becoming just another excuse for create a script full of problems. The characters don't talk so well with each other and show how disconnected they are (especially the villains, who practically don't appear with the sense of urgency necessary to give the dark tone that should exist in the plot).

Metacritic

Technically, the movie has a very good production and the traits of the characters bring a very striking side (congratulations to the designers), making the project something different from other productions (at least in its visual aspect). Although the movie chooses a not so common technical path to exist, this alternative was not enough to supply, or at least try to cover, the lack of narrative quality that build the story. The good and fun moments exist, but they are very small and also fast.

On the voice acting team, great names like Zoe Saldana, Hugh Jackman and Emma Thompson are part of the project and do their jobs satisfactorily. Written and directed by Chris Butler, the work is expressionless and - at times - even a little lazy with its lack of inspiration. The result is listless. In other words, it lacked more "life" for this plot to be something more inspiring or even something more fun. The balance has a positive value, but it is quite small compared to what it could have been.

TwoOhSix

Missing Link is that kind of movie that serves only as a good pastime, nothing more (believe me). It's not bad, but it's also not good enough to be watched twice, or to be recommended as a first choice on any given day. The message is beautiful and the theme is relevant, but almost everything is lost with the apathy and the speed that the plot is built between beautiful scenarios and events that alternate between the surreality and lucidity of a script that cannot decide in which direction the movie must go.


CRÍTICA DE PELÍCULA: "Mr. Link: El Origen Perdido" (2019)

Sinopsis: Cansado de vivir solo, el gigante (y peludo) Mr. Link decide pedirle ayuda al intrépido explorador Sir Lionel Frost para que lo guíe en un viaje para encontrar a sus parientes perdidos en el legendario valle llamado Shangri-La. Adelina Quincena (un viejo amor de Frost), se une al trío y enfrentan muchos peligros en los confines del mundo.

El poder de sensibilidad que aportan las películas de animación de la era más reciente del Cine es mucho más amplio que lo que se puede ver en muchas películas de la era más tradicional. Realizados originalmente para niños, también suelen llegar a los adultos y esta es una hazaña muy importante, porque ayuda a romper un viejo estigma que ya no tiene sentido. Sin embargo, no todos los intentos funcionan siempre correctamente, y aquí hay un buen ejemplo de ello... A pesar de ser una película divertida, es muy olvidable.

Dentro de un planteamiento sencillo, el guión trabaja con una narrativa mucho menos atrevida de lo que debería. Sin embargo, es comprensible que la película esté privada de narrativas que alarguen su tiempo de proyección porque los aspectos que se entregan en pantalla son demasiado superficiales y no permiten una mayor exploración. A pesar de este problema, hay un intento constante de entretener al público, pero la mayoría se pierde porque la falta de carisma grita más fuerte que cualquier otra cosa buena que pueda tener la película.

A lo largo de un viaje agotador por la forma en que se trabajó, los personajes son tratados sin muchos rasgos de personalidad (a excepción del propio protagonista, que es una persona naturalmente egocéntrica... a pesar de tener buenas intenciones en sus acciones) y esto es un gran problema porque ayuda a que la película no tenga identidad propia y alimenta la falta de empatía que el público siente de forma natural al verla. El peso y la forma del proyecto se pierde en medio de algunas bromas frías y no tan divertidas.

Otros aspectos que más me molestaron durante la proyección (y que representan otros problemas del guión) fueron la falta de base para explicar situaciones absurdas (el "monstruo" simplemente se comporta como un humano en todas sus acciones) y el ritmo de la trama, que es demasiado lento (incluso menos de 85 minutos) y sin muchas escenas que tiene un peso interesante. No cuestiono la libertad creativa de los escritores ni el hecho de que la película sea una fantasía, pero se necesita un esfuerzo para ser real.

La búsqueda de la propia identidad (de los dos protagonistas: hombre y monstruo) es un tema de gran importancia, pero incluso este tema es tratado desde un punto de vista tan simple, que tiene un peso sumamente ligero en la trama, convirtiéndose en una excusa más para Crea un guión lleno de problemas. Los personajes no se hablan tan bien entre ellos y muestran lo desconectados que están (especialmente los villanos, que prácticamente no aparecen con el sentido de urgencia necesario para dar el tono oscuro que debe existir en la trama).

Técnicamente, la película tiene una muy buena producción y los rasgos de los personajes aportan un lado muy llamativo (enhorabuena a los diseñadores), haciendo del proyecto algo diferente a otras producciones (al menos en su aspecto visual). Si bien la película opta por un camino técnico no tan común para existir, esta alternativa no fue suficiente para suplir, o al menos intentar cubrir, la falta de calidad narrativa que construye la historia. Los momentos buenos y divertidos existen, pero son muy pequeños y también rápidos.

En el equipo de doblaje, grandes nombres como Zoe Saldana, Hugh Jackman y Emma Thompson son parte del proyecto y hacen su trabajo satisfactoriamente. Escrita y dirigida por Chris Butler, la obra es inexpresiva y - a veces - incluso un poco perezosa debido a su falta de inspiración. El resultado es apático. En otras palabras, le faltaba más "vida" para que esta trama fuera algo más inspirador o incluso algo más divertido. El saldo tiene un valor positivo, pero es bastante pequeño en comparación con lo que podría haber sido.

Mr. Link: El Origen Perdido es ese tipo de película que sirve solo como un buen pasatiempo, nada más. No está mal, pero tampoco es lo suficientemente bueno como para que lo vean dos veces o para que lo recomienden como primera opción en un día determinado. El mensaje es hermoso y el tema es relevante, pero casi todo se pierde con la apatía y la velocidad con la que se construye la trama entre hermosos escenarios y eventos que alternan entre la surrealidad y la lucidez de un guión que no puede decidir en qué dirección. la película debe irse.


CRÍTICA DE FILME: "Link Perdido" (2019)

Sinopse: Cansado de viver sozinho, o gigante (e peludo) Sr. Link decide pedir ajuda ao destemido explorador Sir Lionel Frost, para guiá-lo em uma jornada para encontrar seus parentes perdidos no lendário vale chamado de Shangri-La. Adelina Fortnight (um antigo amor de Frost), se junta ao trio e eles enfrentam muitos perigos nos confins do mundo.

O poder de sensibilidade que os filmes de animações da era mais recente do Cinema trás é bem mais amplo do que o que pode ser visto em muitos filmes da era mais tradicional. Originalmente feito para o público infantil, eles também costumam atingir os adultos e e isso é um feito muito importante, porque ajuda a quebrar um estigma antigo e que não faz mais sentido. No entanto, nem todas as tentativas sempre funcionam corretamente, e aqui está um bom exemplo isso... Apesar de ser um filme divertido, é muito esquecível.

Dentro de uma abordagem simples, o roteiro trabalha com uma narrativa bem menos ousada do que deveria. No entanto, é compreensível que o filme seja privado de narrativas que tornem o seu tempo de projeção mais longo porque os aspectos que são entregues na tela são rasos demais e não permitem um maior aprofundamento. Apesar desse problema, há uma tentativa constante de entreter o público, mas a maioria delas se perde porque a falta de carisma grita mais alto do que qualquer outra coisa boa que o filme possa ter.

Ao longo de uma jornada cansativa pela maneira como foi trabalhada, os personagens são tratados sem muitos traços de personalidade (com exceção do próprio protagonista, que é uma pessoa naturalmente egocêntrica... apesar de ser bem intencionada em suas ações) e isso é um grande problema porque isso ajuda o filme a não ter à sua própria identidade e alimenta a falta de empatia que o público naturalmente sente ao assisti-lo. O peso e a forma do projeto ficam perdidos em meio a algumas piadas não tão engraçadas e frias.

Outros aspectos que mais me incomodaram ao longo da projeção (e que representam outros problemas do roteiro) foram a falta de embasamento para explicar situações absurdas (o "monstro" simplesmente se comporta como um humano em todas às suas ações) e o ritmo da trama, que é lento demais (mesmo tendo menos de 85 minutos) e sem muitas cenas que tem um peso interessante. Eu não estou questionando a liberdade criativa dos roteiristas e nem o fato do filme ser uma fantasia, mas é preciso haver um esforço para ser real.

A busca pela própria identidade (dos dois protagonistas: homem e monstro) é um tema de grande importância, mas mesmo esse assunto é tratado por uma ótica tão simples, que tem um peso extremamente leve na trama, tornando-se apenas mais uma desculpa para criar um roteiro cheio de problemas. Os personagens não conversam tão bem entre si e evidenciam o quão desconexos eles são (especialmente os vilões, que praticamente não aparecem com um senso de urgência necessário para dar o tom obscuro que deveria existir na trama).

Tecnicamente, o filme tem uma produção muito boa e os traços dos personagens trazem um lado bem marcante (parabéns aos desenhistas), tornando o projeto em algo diferente das outras produções (pelo menos no seu aspecto visual). Embora o filme escolha um caminho técnico não tão comum para existir, essa alternativa não foi o suficiente para suprir, ou ao menos tentar, encobrir a falta de qualidade narrativa que constrói a história. Os bons e divertidos momentos existem, mas eles são muito pequenos e também rápidos.

No time de dubladores, nomes como Zoe Saldana, Hugh Jackman e Emma Thompson são parte do projeto e fazem os seus trabalhos de maneira satisfatória. Escrito e dirigido por Chris Butler, o trabalho é inexpressivo e - às vezes - até um pouco preguiçoso com sua falta de inspiração. O resultado é apático. Em outras palavras, faltou mais "vida" para essa trama ser algo mais inspirador ou até mesmo algo mais divertido. O saldo tem um valor positivo, mas ele é bem pequeno em comparação ao que poderia ter sido.

Link Perdido é aquele tipo de filme que serve apenas como um bom passatempo, nada além disso. Não é ruim, mas também não é bom o suficiente para ser assistido duas vezes, ou para ser recomendado como uma primeira escolha em um dia qualquer. A mensagem é bonita e o tema é relevante, mas quase tudo se perde com a apatia e com a rapidez que a trama é construída entre bonitos cenários e acontecimentos que alternam entre a surrealidade e lucidez de um roteiro que não consegue se decidir para qual direção o filme deve ir.

Sort:  

Colmena-Curie.jpg

¡Felicidades! Esta publicación obtuvo upvote y fue compartido por @la-colmena, un proyecto de Curación Manual para la comunidad hispana de Hive que cuenta con el respaldo de @curie.

Si te gusta el trabajo que hacemos, te invitamos a darle tu voto a este comentario y a votar como testigo por Curie.

Si quieres saber más sobre nuestro proyecto, acompáñanos en Discord: La Colmena.


Muchas gracias, @la-colmena.