ALBUM REVIEW: "Plastic Hearts" - Miley Cyrus

in GEMS2 months ago

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

Milky

Among the many children's personalities that have been discovered and / or manufactured by Disney over many years, one of the most promising names has always been that of singer Miley Cyrus. She had everything needed to captivate younger fans and businessmen wasted no time in creating a bubble so that Cyrus could transcend, and go beyond what TV jobs were capable of. From there, there is a new path in her journey, entering the world of music as a teenager with an easy smile and a promising voice.

However, despite the initial success (which was very well established), it must be kept in mind that she was unable to print the truth that lived within her (something that would only come to light in adulthood). For years, she launched musical works in the molds, and with some demands that did not dirty the image of the Disney stamp, which she brings in her past. Despite releasing albums that were almost always well received when it came to having a real essence... Cyrus was never able to enter a job with the truths that she wanted to sing about.

Fortunately, after flitting with a personality change (which was actually a way for her to fight to reveal her real musical identity) in some more daring works, she finally immersed herself in a project that breathes what she always wanted, by showing for the specialized critics and for the general public, who she really is, and what can be heard in Plastic Hearts (that her seventh studio album) is the purest truth in the form of sound, and also of the consoling attitude of a artist who brings a force that needed to be unleashed.

The focus of the project is to open the doors to Rock and going much further, to flirt with the prospect of being able to bring to the public a diversified work in its phonographic structure, and mainly in the types of variations that subgenres of Rock tend to be recognized . For example, on this album it is possible to hear from glam rock to synth rock... All this mixed with a little Pop and also a delicious hint of Disco, which brings a whole nostalgic vibe (from the 70s / 80s) to some songs and at the same time, an energizing atmosphere.

Conceptually speaking, this album is very well planed, cohesive and extremely full of great definitions because it shows how assertive it has been since its inception. One of Cyrus' best opportunities to showcase the power of his voice in style, and while it took a long time to happen, she can finally show the world that she is much more than just a Disney "product". Once she has taken on the true essences that surround her, no one else will tell her what to do, when, and how to do it. Now, it's about singing truths.

Owner of a dry, harsh voice with a strong tone, Cyrus brings an energy and also an exciting freshness when singing about a nostalgic era full of punctual polemics, which in the middle of 2020, gain even more strength and empowerment ( as the strength of women within the world of Rock, which is still mostly male). The voice was stuck in previous works, but now it was released and in a very strong way, singing to the four corners of the world, everything she always wanted, but that her original bubble until then did not allow.

The production level is very high. The duo Louis Bell and Andrew Watt was responsible for bringing quality work far beyond expectations. The union of Cyrus with strong names like Dua Lipa (in "Prisoner"), Billie Joe (in "Night Crawling") and Joan Jett (in "Bad Karma") are also part of the album's strongest points, because they retain a important and very significant partnership for the project's identity. There is a time for everyone to shine, and that makes everything even more democratic, and also, more fun to be heard and appreciated.

In the middle of a consistent (and very intelligent) mix of heavy basses, electric guitars, synthesizers and a lot of vocal attitude, with this album it is possible to hear a new Miley Cyrus emerging. Confident, owner of herself and knowing exactly where she wants to go, singing in such a well-defined way and bringing a heavier tone to her own voice was the bet she made to turn the spotlight back on and this has worked very well, at least until that moment. In her next albums, this is the trend that she will certainly follow.

Cyrus definitely wore the "Rock Star" outfit and that outfit really seemed to suit him very well. This was what she needed to be, this was what she was screaming to be, this was what she wanted to be and couldn't. Everything has changed and it seems that both the critics specialize and the fans, are approving and enjoying this new and unexpected journey that the singer is taking. Despite being a recent change, she has already been well received and considering the intentions of the singer, this is a path with no return to its origins at the beginning of her career.

The whole idea of ​​the album is very clear and for those who like Rock with a hint of many new features, Plastic Hearts is one of the best options this year. Undoubtedly, one of the funniest, most electric and most frantic musical endeavors this year, which has been such an atypical year in everyone's life. Miley Cyrus came back, and came back to shine with her real essence and screaming a voice that was stuck in her throat for a long years. Changing is essential, but in this case... Cyrus finds out that being herself is always the best way to evolve.


CRÍTICA DE DISCO: "Plastic Hearts" - Miley Cyrus

Entre las muchas personalidades infantiles que han sido descubiertas y / o fabricadas por Disney durante muchos años, uno de los nombres más prometedores siempre ha sido el de la cantante Miley Cyrus. Tenía todo lo necesario para cautivar a los fanáticos más jóvenes y los empresarios no perdieron el tiempo en crear una burbuja para que Cyrus pudiera trascender e ir más allá de lo que los trabajos de televisión eran capaces de hacer. A partir de ahí, hay un nuevo camino en su viaje, entrando en el mundo de la música de adolescente con una sonrisa fácil y una voz prometedora.

Sin embargo, a pesar del éxito inicial (que estaba muy bien establecido), hay que tener en cuenta que no pudo imprimir la verdad que vivía en su interior (algo que solo saldría a la luz en la edad adulta). Durante años lanzó obras musicales en los moldes, y con unas exigencias que no ensuciaron la imagen del sello de Disney, que trae en su pasado. A pesar de lanzar álbumes que casi siempre fueron bien recibidos cuando se trataba de tener una esencia real... Cyrus nunca pudo ingresar a un trabajo con las verdades sobre las que quería cantar.

Afortunadamente, después de revolotear con un cambio de personalidad (que en realidad era una forma de luchar para revelar su verdadera identidad musical) en algunos trabajos más atrevidos, finalmente se sumergió en un proyecto que respira lo que siempre quiso, al mostrar para la crítica especializada y para el público en general, quién es en realidad, y lo que se escucha en Plastic Hearts (ese su séptimo disco de estudio) es la verdad más pura en forma de sonido, y también de la actitud consoladora de una artista que aporta una fuerza que necesitaba ser desatada.

El foco del proyecto es abrir las puertas al Rock y llegar mucho más allá, coquetear con la perspectiva de poder acercar al público una obra diversificada en su estructura fonográfica, y principalmente en los tipos de variaciones que suelen reconocer los subgéneros del Rock. . Por ejemplo, en este disco es posible escuchar desde glam rock hasta synth rock... Todo esto mezclado con un poco de Pop y también un delicioso toque de Disco, que aporta toda una vibra nostálgica (de los 70/80) a algunas canciones y al mismo tiempo, un ambiente energizante.

Conceptualmente hablando, este álbum está muy bien planeado, cohesionado y extremadamente lleno de grandes definiciones porque muestra lo asertivo que ha sido desde sus inicios. Una de las mejores oportunidades de Cyrus para mostrar el poder de su voz con estilo, y aunque tardó mucho en suceder, finalmente puede mostrar al mundo que es mucho más que un simple "producto" de Disney. Una vez que ha adquirido las verdaderas esencias que la rodean, nadie más le dirá qué hacer, cuándo y cómo hacerlo. Ahora se trata de cantar verdades.

Dueño de una voz seca, áspera y con un tono fuerte, Cyrus aporta una energía y también una frescura emocionante al cantar sobre una época nostálgica llena de polémicas puntuales, que a mediados de 2020, ganan aún más fuerza y ​​empoderamiento ( como la fuerza de las mujeres dentro del mundo del Rock, que sigue siendo mayoritariamente masculino). La voz estaba estancada en trabajos anteriores, pero ahora se soltó y de una manera muy fuerte, cantando a los cuatro rincones del mundo, todo lo que siempre quiso, pero que su burbuja original hasta entonces no se lo permitía.

El nivel de producción es muy alto. El dúo Louis Bell y Andrew Watt fue responsable de llevar un trabajo de calidad más allá de las expectativas. La unión de Cyrus con nombres fuertes como Dua Lipa (en "Prisoner"), Billie Joe (en "Night Crawling") y Joan Jett (en "Bad Karma") también forman parte de los puntos más fuertes del álbum, porque conservan un asociación importante y muy significativa para la identidad del proyecto. Hay un tiempo para que todos brillen, y eso hace que todo sea aún más democrático, y también más divertido de ser escuchado y apreciado.

En medio de una mezcla consistente (y muy inteligente) de bajos pesados, guitarras eléctricas, sintetizadores y mucha actitud vocal, con este disco es posible escuchar a una nueva Miley Cyrus emergiendo. Confiada, dueña de sí misma y sabiendo exactamente a dónde quiere ir, cantando de una manera tan bien definida y aportando un tono más pesado a su propia voz fue la apuesta que hizo para volver a encender los reflectores y esto ha funcionado muy bien. al menos hasta ese momento. En sus próximos álbumes, esta es la tendencia que seguramente seguirá.

Cyrus definitivamente usó el atuendo de "Rock Star" y ese atuendo realmente parecía quedar muy bien para él. Esto era lo que necesitaba ser, esto era lo que estaba gritando que fuera, esto era lo que quería ser y no podía. Todo ha cambiado y parece que tanto la crítica especializada como los fans, están aprobando y disfrutando este nuevo e inesperado viaje que está emprendiendo la cantante. A pesar de ser un cambio reciente, ya ha sido bien recibida y considerando las intenciones de la cantante, este es un camino sin retorno a sus orígenes al inicio de su carrera.

Toda la idea del álbum es muy clara y para aquellos a los que les guste el Rock con un toque de muchas novedades, Plastic Hearts es una de las mejores opciones de este año. Sin duda, uno de los esfuerzos musicales más divertidos, eléctricos y frenéticos de este año, que ha sido un año tan atípico en la vida de todos. Miley Cyrus regresó, y volvió a brillar con su verdadera esencia y gritando una voz que se le quedó atascada en la garganta durante largos años. Cambiar es esencial, pero en este caso... Cyrus descubre que ser ella misma es siempre la mejor manera de evolucionar.


CRÍTICA DE ÁLBUM: "Plastic Hearts" - Miley Cyrus

Dentre as muitas personalidades infantis que foram descobertas e / ou fabricadas pela Disney ao longo de muitos anos, um dos nomes mais promissores sempre foi o da cantora Miley Cyrus. Ela tinha tudo o que era necessário para cativar os fãs mais jovens e os empresários não perderam tempo em criar uma bolha para que Cyrus pudesse transcender, e ir além do que os trabalhos na TV eram capazes de proporcionar. A partir daí, há um novo caminho na jornada dela, entrando para o mundo da música como uma adolescente de sorriso fácil e com uma voz promissora.

No entanto, apesar do sucesso inicial (que foi muito bem estabelecido), é preciso ter em mente que ela não conseguiu imprimir a verdade que morava dentro dela (algo que só viria à tona na fase adulta). Durante anos, ela lançou trabalhos musicais nos moldes, e com algumas exigências que não sujassem a imagem do carimbo da Disney, que ela trás no seu passado. Apesar de lançar álbuns que eram, quase sempre, bem recebidos quando o assunto era ter uma essência real... Cyrus nunca consegui entrar um trabalho com as verdades sobre as quais ela queria cantar.

Felizmente, depois de flertar com uma mudança de personalidade (que na verdade, era um jeito dela lutar para revelar à sua real identidade musical) em alguns trabalhos mais ousados, ela finalmente mergulhou em um projeto que respira o que ela sempre quis, ao mostrar para a crítica especializada e para o grande público, quem ela realmente é, e o que pode ser ouvido em Plastic Hearts (que o sétimo álbum em estúdio dela) é a mais pura verdade em forma de som, e também de atitude consolidada de uma artista que trás uma força que precisava ser desencadeada.

O foco do projeto é abrir as portas para o Rock e indo muito mais além, flertar com à perspectiva de poder trazer para o público um trabalho diversificado em sua estrutura fonográfica, e principalmente nos tipos de variações que os subgêneros do Rock tendem a ser reconhecidos. Por exemplo, neste álbum é possível ouvir desde o glam rock até o synth rock... Tudo isso misturado com um pouco de Pop e também, uma pitada gostosa de Disco, que trás toda uma vibe nostálgica (dos anos 70 / 80) para algumas músicas e ao mesmo tempo, uma atmosfera energizante.

Conceitualmente falando, esse álbum é muito bem planejando, coeso e extremamente cheio de ótimas definições porque ele mostra o quão assertivo ele é desde o seu início. Uma das melhores oportunidades de Cyrus mostrar a potência da sua voz em grande estilo, e apesar disso ter demorado muito para acontecer, ela finalmente pode mostrar ao mundo, que ela é muito mais do que apenas um "produto" da Disney. Uma vez que ela assumiu às verdadeiras essências que a cercam, ninguém mais irá dizer a ela o que fazer, quando, e como fazer. Agora, é sobre cantar verdades.

Dona de uma voz seca, ríspida e com uma tonalidade marcante, Cyrus trás uma energia e também, um frescor empolgante ao cantar sobre uma era saudosista e cheia de polêmicas bem pontuais, que em pleno ano de 2020, ganham ainda mais força e empoderamento (como a força da mulher dentro do mundo do Rock, que ainda é majoritariamente masculino). A voz estava presa em trabalhos anteriores, mas agora foi libertada e de um jeito muito forte, cantando para os quatro cantos do mundo, tudo o que ela sempre quis, mas que à sua bolha original até então não permitia.

O nível de produção é altíssimo. A dupla Louis Bell e Andrew Watt foi responsável por trazer um trabalho de qualidade muito além do esperado. A união de Cyrus com nomes de peso como Dua Lipa (em "Prisoner"), Billie Joe (em "Night Crawling") e Joan Jett (em "Bad Karma") também fazem parte dos pontos mais fortes do álbum, porque fidelizam uma parceria importante e muito significativa para a identidade do projeto. Há um momento para todos brilharem, e isso faz com que tudo seja ainda mais democrático, e também, mais divertido de ser ouvido e apreciado.

No meio de uma mistura consistente (e muito inteligente) de baixos pesados, guitarras elétricas, sintetizadores e muita atitude vocal, com esse álbum é possível ouvir uma nova Miley Cyrus surgindo. Confiante, dona de si mesma e sabendo exatamente onde ela quer chegar, cantar de uma forma tão bem definida e trazer uma tonalidade mais pesada para a própria voz foi a aposta que ela fez para voltar as luzes dos holofotes e isso tem funcionado muito bem, pelo menos até esse momento. Em seus próximos álbuns, essa é a tendência que ela certamente vai seguir.

Cyrus definitivamente vestiu a roupa de "estrela do Rock" e esse traje, realmente lhe pareceu servir muito bem. Isso era o que ela precisava ser, isso era o que ela estava gritando para ser, isso era o que ela queria ser e não podia. Tudo mudou e parece que tanto a crítica especializa quanto os fãs, estão aprovando e aproveitando essa nova e inesperada jornada que a cantora está percorrendo. Apesar de ser uma mudança recente, ela já foi bem recebida e considerando às intenções da cantora, esse é um caminho sem volta às suas origens no início da carreira.

Toda a idealização do álbum é muito clara e para quem gosta de Rock com uma pitada de muitas novidades, Plastic Hearts é uma das melhores opções este ano. Sem dúvidas, uma das empreitadas musicais mais divertidas, mais elétricas e mais frenéticas deste ano, que tem sido um ano tão atípico na vida de todo mundo. Miley Cyrus voltou, e voltou à brilhar com sua essência real e gritando uma voz que estava presa na garganta por uns longos anos. Mudar é essencial, mas nesse caso... Cyrus descobrir que ser ela mesma é sempre o melhor caminho para evoluir.

Sort: